Acerca de mim

A minha foto

Nasci e cresci em Casa Branca- Sousel. Adoro o Alentejo. Ensinar Português e Francês foi e é a minha grande paixão. Hoje, estou reformada, mas continuo a ensinar e a partilhar na Academia Sénior de Estremoz, na disciplina Poesia e contos. 
Divulgar contos tradicionais portugueses é outro dos meus prazeres, por isso, vou ao Lar da Terceira Idade de Casa Branca ler contos aos utentes.
Pintar, ouvir música, passear, viajar, conviver, brincar com a minha Pantufa, falar com a minha filha Rita, etc. etc. etc...

terça-feira, 7 de novembro de 2017

O FRADE BERNARDO

Os frades Bernardos eram muito conhecidos pelas suas tolices, e ainda hoje uma tolice é sinónimo de bernardice. 
Quando os frades franciscanos encontravam um Bernardo troçavam-no horrivelmente. Uma ocasião passou um Bernardo pela estalagem de uma aldeia, estava à porta o estalajadeiro que disse:
- Vem em boa ocasião, frei Bernardo: estão lá em cima dois irmãos franciscanos que mandaram preparar um leitão recheado para o jantar.
Ouviram os franciscanos o que o estalajadeiro dizia ao Bernardo e correram a convidá-lo para o jantar.
- A que horas jantam? - perguntou o Bernardo.
- Às três em ponto. 
Seguiu o Bernardo o seu caminho e ficaram os franciscanos a combinar a partida que fariam ao irmão. Combinaram propor ao Bernardo que cada um devia consentir que lhe fizessem no corpo aquilo que devia fazer no leitão. 
Às três horas chegou o Bernardo e fizeram-lhe a proposta, este respondeu: 
- É necessário que jantemos nus.
- Está visto, responderam os dois franciscanos.
Veio o leitão recheado. Os frades fecharam a porta da casa e despiram-se. Logo um franciscano pegou na toalha e foi limpar o leitão com alguma cinza. Os outros frades fizeram o mesmo ao corpo do frade; seguiu-se o outro franciscano e foi limpar as unhas do leitão: os outros fizeram-lhe o mesmo.
Faltava o Bernardo que só tinha de cortar, os outros irmãos preparavam-se já para o martirizar, cortando-o. Então o Bernardo meteu o dedo pelo orifício do intestino recto do leitão, tirou-lhe o recheio e pôs-se a lamber o dedo.
- Façam-me o mesmo, disse o Bernardo para os franciscanos,
voltando-lhes as costas. É escusado dizer que os franciscanos não estiveram pelo contrato, mas o Bernardo comeu leitão ao jantar. 


domingo, 10 de abril de 2016

ACEITAR-ME COMO SOU...

Nem boa nem má!
Nem pobre nem rica,
Nem feia nem bonita!
nem nova nem velha! 
Sou um ser que acredita.
Nesta vida« às vezes maldita»
Tudo passa,nada fica.
Há que aproveitar,
Ver o tempo passar!
Sorrir,passear,cair, levantar!
Dormir, sonhar,
«que aprendia a cantar»

Sim é importante, aceitar-me como sou! acho que sou um ser normal;
com alguns defeitos e algumas qualidades! Sou teimosa, ou seja persistente!
Não que  ache que tenho sempre razão; mas quando tenho! nada me faz mudar de
ideias.
Bem às vezes, sou um pouco preguiçosa ...preguiça de levantar, preguiça de telefonar,
preguiça até de pensar.
Mas também sou trabalhadora; quando me apetece! 
Sou muito sensível e amiga da minha amiga.
Pois amizade só a tem quem a sente! é um privilégio senti-la. Felizmente eu tenho esse sentimento,
para mim é ótimo ; pois vivendo sózinha nunca senti solidão! os dias passam rápido, as noites com telefone,
e internet também são rápidas.
Gosto de ajudar os meus amigos, sem esperar nada em troca!pois para mim « amigo» é suficiente e tenho
alguns felizmente, também tenho conhecidos  de que gosto muito. A vida é uma passagem e tento
vivê-la o melhor que posso e sei

Ana Maria Tronco